Luiz Orlandi (vídeo de 4 minutos) O homem dissolveu-se, combinatórias finito-ilimitadas, mundos vivíveis.

 

“O homem dissolveu-se. Ora, como a idéia de morte do homem foi maltratada por incompreensões e besteiras, ao longo das quais ela foi referida ora ao “conceito-homem” ora aos “homens-existentes”, Deleuze sente-se na obrigação de torná-la mais precisa, levando em conta a elaboração conceitual de Foucault em torno das noções apontadas acima. Assim, a morte do homem diz respeito não ao homem-existente e nem ao conceito-homem, mas à mutação da “forma-Homem”. Historicamente posterior à “forma-Deus”, a forma-Homem estaria sendo submetida agora a processos de dissolução. Tais processos são os de “composição” entre as “forças no homem” (não do, mas no homem, tais como as de “imaginar, recordar, conceber, querer”) e as “forças do fora”. Enquanto a forma-Deus, dominante no classicismo dos séculos XVII e XVIII, compunha-se das relações das forças-no-homem com as “forças de elevação ao infinito” [6], a forma-Homem, dominante no século XIX, supunha as relações entre as forças-no-homem e as “forças do finito” (da “Vida, do Trabalho, da Linguagem”).

A mutação da forma corresponde, justamente, a variações nesse enrolamento de forças, donde a pergunta: “quais seriam as forças em jogo com as quais as forças-no-homem estariam hoje em relação?”. As forças do fora já não são aquelas capazes de abrir a ingênua elevação ao infinito, como diz Merleau-Ponty, mas já não são também aquelas exclusivamente marcantes de nossa finitude. As novas forças do fora estariam configurando, isto sim, um “finito-ilimitado”. Este termo é reservado a “toda situação de forças em que um número finito de componentes produz uma diversidade praticamente ilimitada de combinações”, uma situação, portanto, não mais de “dobra” ou “redobra”, mas de “Sobredobra”, exemplificada pelas “cadeias do código genético”, pelas “potencialidades do silício nas máquinas de terceira geração”, assim como pelos “contornos de frases na literatura moderna” etc [7].

Se estamos assistindo ao “advento de uma nova forma”, qual seria ela? “super-homem” (o da tradição nietzscheana) seria um termo competente para nomear esse novo “composto formal das forças” em jogo?. Pode ser, porque as novas forças do fora talvez possam propiciar às forças-no-homem linhas ilimitadas de afirmação. Por essa razão, a morte do homem (enquanto mutação da forma-Homem em conseqüência da variação na composição de forças) é “muito menos que o desaparecimento dos homens existentes e muito mais que a mudança de um conceito”. Deleuze espera que a nova forma não venha, pelo menos, a ser “pior que as duas precedentes” [8].”

Luiz Orlandi

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s